casal idoso de mãos dadas a dar um beijo

O estado do toque humano – Benefícios, barreiras e soluções

Estamos a tornar-nos numa sociedade sem contacto? Uma nova investigação global revela que o toque humano é a chave para uma vida feliz e realizada, mas o toque está em risco em todo o mundo.

”Nove em cada dez pessoas em todo o mundo sentem que o toque humano é a chave para uma vida feliz e realizada.”

O toque é o que nos faz humanos – a falta dele faz-nos sentir solitários

Todas as formas de toque humano são diferentes e algumas são mais desejáveis do que outras. Abraçar um amigo, beijar um parceiro na bochecha ou dar um mais cinco a um colega são preferíveis a esbarrar com um estranho, por exemplo. Apesar destas preferências variadas de toque físico, os resultados da investigação global mostram que o toque tem conotações extremamente positivas para a maioria das pessoas. As três principais associações que os entrevistados têm com o toque são amor (96%), afeição (96%) e cuidado (95%). A ideia de cuidar uns dos outros está intimamente ligada ao toque humano na mente das pessoas, e isto é consistente em todas as faixas etárias e regiões geográficas. Nove em cada dez pessoas em todo o mundo sentem que o toque humano é a chave para ter uma vida feliz e realizada. Hoje em dia, num mundo altamente polarizado de bolhas de filtro, discurso de ódio e hiperpartidarismo, é significativo que, independentemente da faixa etária, género ou país de origem, pessoas de todo o mundo concordem com esta afirmação.

Esta unidade também se reflete noutras medidas de toque: 87% concordam que o toque humano é uma parte essencial das comunidades e que a falta de toque humano pode fazer com que se sentam isolados e solitários, mesmo se estiverem rodeados de pessoas; 85% concordam que o toque é o que nos torna humanos; e 81 por cento acreditam que a falta de toque humano pode fazer-nos sentir mais facilmente stressados. Como investigadores, perguntamos-nos: a falta de toque humano é causada pelo nosso estilo de vida? E o toque mais humano pode ser um remédio contra os desenvolvimentos negativos dos tempos modernos?

“Já vi um homem a desatar a chorar no metro e ser ignorado – não quero fazer parte desta sociedade.”

Para dois terços da população, o toque não faz parte das suas vidas diárias

A nossa investigação descobriu que a maioria das pessoas não tem tanto toque quanto gostaria. Quando questionados especificamente sobre o tipo e a frequência do toque que experimentaram, 64% dos entrevistados indicaram que o toque não é uma ocorrência diária nas suas vidas e outros 72% expressaram o desejo de mais abraços. Quase um em cada cinco entrevistados não experimentou nenhum contato físico no dia anterior à entrevista. Além disso, as pessoas não estão insatisfeitas só com o nível de toque nas suas vidas pessoais, mas metade dos entrevistados percebe que o nível de toque na sociedade diminuiu nos últimos anos. Todas estas descobertas sugerem uma tendência crescente do que os especialistas chamam de “fome de toque” ou privação de toque – e alguns grupos são mais vulneráveis do que outros.

De acordo com os dados, as pessoas que vivem no hemisfério norte geralmente são mais privadas de toque do que as do hemisfério sul. Enquanto 17% dos entrevistados em geral indicaram não ter sido tocados no dia anterior à entrevista, este número foi maior em lugares como o Reino Unido (29%), Alemanha (28%) e França (21%). Por outro lado, foi menor em lugares como o Brasil (12%) e Índia (10%). Curiosamente, os países que mais experimentam o toque também parecem querer mais toque. Enquanto 72% dos entrevistados em geral indicaram o desejo de mais abraços, 82% dos indianos e 81% dos brasileiros desejavam mais, em comparação com 63% dos alemães e 64% dos britânicos. “Os dados mostram que as pessoas que vivem em culturas mais 'amigáveis ao toque', como a América do Sul, são mais propensas a reconhecer o valor do toque e a procurar mais toque nas suas vidas quotidianas”, disse a Dra. Natascha Haehling von Lanzenauer, investigadora do Happy Thinking People, um instituto de pesquisa independente que conduziu discussões em grupos de foco antes da pesquisa quantitativa.

Além das diferenças culturais, os dados também revelaram diferenças nas experiências de toque entre as várias faixas etárias. Não deveria ser uma surpresa que a geração do milénio com idades compreendidas entre os 20 e os 35 anos e aqueles com filhos nas suas famílias – independentemente do género – experimentem mais toques, com base nos diários de toque. Ao todo, 69% relataram que o toque de outras pessoas é uma parte comum e natural das suas vidas diárias e que recebem uma variedade de formas de toque de várias pessoas diferentes. Eles também eram significativamente mais propensos a abraçar alguém ou segurar a sua mão no dia anterior à entrevista. Sejam as formas tradicionais de toque físico, como abraços, mãos dadas ou carícias, ou formas de contacto baseadas na Internet, como conversar com alguém num chat por vídeo, esta faixa etária e os indivíduos com filhos beneficiam do toque diariamente e em abundância. No entanto, o mesmo não pode ser dito de todas as faixas etárias.

Com mais de 50 anos e privado de toque?

Indivíduos dos 50 aos 69 anos enfrentam desafios únicos quando se trata de tocar. São mais propensos do que outras faixas etárias a viver sozinhos ou em famílias menores ou enfrentar problemas de saúde que criam barreiras ao toque. O aumento da tendência da “família nuclear” nas últimas décadas, o declínio nas taxas de casamento e o aumento da expectativa de vida em todo o mundo tornaram cada vez mais provável que os idosos vivam sozinhos em vez de com um parceiro ou em lares multigeracionais. Em geral, as pessoas dos 50 aos 69 anos relataram menos experiências com o toque humano nas suas vidas diárias em comparação com outras faixas etárias, incluindo menos abraços, toques breves no braço durante a conversa ou oportunidades de carinho. Curiosamente, apesar de experimentar menos toque, este grupo não parece necessariamente desejar mais toque, com apenas 63% a indicar desejo de mais abraços, em comparação com 72% dos entrevistados em geral. “As pessoas parecem ajustar as suas expectativas sobre a quantidade de toque que tiveram nas suas vidas diárias com base nas suas circunstâncias”, disse o Dr. Antje Gollnick do instituto de pesquisa Mindline, que liderou a investigação NIVEA. “Se eles moram sozinhos ou têm problemas de saúde que impedem o toque frequente, aprendem a desejar menos toque como forma de evitar deceções.”

89%

acham que a falta de contacto humano pode fazer com que se sinta sozinho, mesmo que tenha muitos contactos nas redes sociais

82%

acham que o aumento de conexões virtuais diminui a habilidade de empatia

64%

têm vidas muito ocupadas; às vezes não demoram o tempo suficiente para se conectar com outras pessoas

53%

acham que passam muito tempo nas redes sociais; e que esse tempo falta para o contacto pessoal

Estilos de vida modernos e agitados estão a afastar-nos – e a distanciar-nos

A investigação NIVEA sobre toque humano descobriu que várias tendências estão a criar novas e duradouras barreiras ao toque humano. Vivemos numa sociedade cada vez mais móvel, com mais pessoas do que nunca optando por se afastar das suas famílias e das comunidades em que foram criadas, seja por conflitos geopolíticos ou pela busca de oportunidades profissionais ou enriquecimento pessoal. Inovações na tecnologia pessoal e melhor acesso à Internet de banda larga em todo o mundo tornaram possível ficar conectado com os entes queridos e formar novas conexões virtualmente, em vez de pessoalmente. E as mudanças nas normas sociais levantaram questões sobre quais os tipos de toque apropriados. O impacto destas tendências na qualidade e frequência do toque humano é refletido na investigação NIVEA. A adoção de tecnologia, a natureza dos estilos de vida modernos, as normas culturais e sociais e as inseguranças pessoais foram citadas como razões pelas quais as pessoas não se envolvem num toque mais pessoal.

“É quase impossível encontrar-me com os meus amigos. Estão sempre todos tão ocupados hoje em dia.”

Conectados, mas desconectados: Geração Internet

O papel que a tecnologia desempenha na nossa experiência de toque humano merece um olhar mais atento. Mais de 80 por cento dos entrevistados da investigação NIVEA sentem que cada vez mais conexões virtuais diminuem a habilidade de empatia, o que leva a menos contacto. Outra investigação descobriu que os ecrãs criam distância não apenas física, mas também psicológica, confundindo as linhas entre realidade e entretenimento dessensibilizando-nos à dor e às necessidades dos outros. Os ecrãs também podem dificultar a leitura das emoções dos outros? Alguns estudos sugerem que sim. Um estudo de 2014 da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, descobriu que alunos do 6º ano que passaram cinco dias sem exposição à tecnologia eram significativamente melhores na leitura de emoções humanas do que crianças que tinham acesso regular a telefones, televisões e computadores.

Além das nossas experiências com a tecnologia, a quantidade de tempo que passamos a usar tecnologia também é importante. Ao todo, 53% dos entrevistados disseram que o tempo gasto nas redes sociais era uma barreira ao toque físico, e isto foi particularmente verdadeiro na Índia (70%) e na Tailândia (69%) – países onde o uso de redes sociais tende a ser maior. Um entrevistado na Índia disse-nos: “Quando volto da cidade grande para casa duas vezes por ano, desejo muito ver a minha família. Mas o meu irmão mais novo só fica sentado à mesa com os seus gadgets, sem falar ou até mesmo olhar para mim. Isto é tão triste!" Os dados também revelam diferenças significativas nas faixas etárias quando se trata de tempo gasto online. A maior diferença é entre a geração dos millennials e aqueles com 50 anos ou mais; 65% dos millennials relataram que o tempo gasto nas redes sociais é uma barreira ao toque físico, enquanto apenas 33% daqueles com mais de 50 anos o fizeram.

Vidas ocupadas:
Uma corrida sem fim para fazer tudo

Os nossos ecrãs não são as únicas coisas que impedem mais toque. Os resultados do estudo também sugerem que os nossos estilos de vida ocupados estão a contribuir para a nossa privação coletiva de toque: 72 por cento dos entrevistados acreditam que o valor do toque humano não é uma prioridade na vida moderna, com outros 64 por cento a relatar estarem muito ocupados para ter tempo para se conectar com outras pessoas. Um entrevistado na China disse-nos: “É quase impossível encontrar-me com os meus amigos. Estão sempre ocupados hoje em dia.”

Isto é especialmente verdade para a geração de millennials (72%) e pais (71%). Embora já tenhamos estabelecido que estes grupos experimentam mais toques em comparação com outros, 76% dos millennials e 78% dos pais ainda desejam receber mais abraços.

Como resultado dos seus estilos de vida agitados e em movimento, estes grupos geralmente precisam contar com conexões habilitadas por tecnologia como um substituto para o toque físico. Nos diários de toque, 51 por cento dos millennials e 48 por cento dos pais relataram que fizeram uma videochamada para alguém, passaram os dedos no ecrã e desejaram que fosse um toque real.

NORMAS SOCIAIS: CONFUSÃO SOBRE O NÍVEL CERTO DE TOQUE

Além do uso da tecnologia e da falta de tempo, oito em cada dez entrevistados acreditam que as normas sociais podem atrapalhar o contacto humano. Em alguns países, isto é mais um fator do que em outros. Parece ser mais uma barreira nos países da Commonwealth, com 84% dos britânicos, 85% dos australianos e 84% dos indianos a relatar as normas sociais como uma barreira ao toque, em comparação com 80% dos entrevistados em geral. De um modo geral, as pessoas nestes países em que se tocam menos do que as pessoas no sul da Europa e na América do Sul, onde, por exemplo, um abraço e um beijo na bochecha costumam ser considerados uma forma aceitável de saudação. Para muitos entrevistados, a incerteza sobre que tipo de toque é apropriado ou se o destinatário retribuiria impede-os de iniciar o toque. Mais de três quartos dos entrevistados relataram que as inseguranças pessoais, como não ter a certeza se as pessoas se sentiriam à vontade para receber um abraço, são uma barreira. Este número é substancialmente maior – 85% – na China, Índia e Tailândia. Outros 69% relataram que estão abertos ao contacto, mas que esperam sempre que a outra pessoa dê o primeiro passo. Estas descobertas são especialmente pronunciadas num grupo em particular: aqueles que se identificam como homens.

Um total de 89% dos homens e 88% das mulheres acreditam que o toque humano é a chave para uma vida feliz e realizada. No entanto, os homens enfrentam mais inseguranças pessoais em relação ao toque, com 76% dos homens a indicar que muitas vezes não têm a certeza de quanto contato físico é aceitável na sociedade, em comparação com 71% das mulheres. Mais homens do que mulheres gostariam de receber mais abraços (73% em comparação com 70%). Além disso, embora desejem mais toque, na verdade estão a ter menos; 20% não tiveram nenhum contato físico no dia anterior à entrevista, em comparação com 14% das mulheres.

Claramente, os homens desejam conexões mais táteis nas suas vidas quotidianas, mas se sentem inseguros em iniciar e receber toque físico. Os homens que colocam mais ênfase nos papéis tradicionais de género ou sentem-se pressionados pelas expectativas da sociedade podem ser menos propensos a envolver-se em contato físico, temendo que isso possa ser considerado “feminino”. Muitos têm medo de expressar as suas emoções ou são incapazes de articular as suas necessidades. Outros temem que o seu toque seja interpretado como um avanço sexual ou que seja rejeitado. Alguns temem ser afetuosos com os filhos. Um pai na Alemanha disse-nos: “Sinto-me muito desconfortável quando a minha filha de 12 anos se quer sentar no meu colo em público. Não quero que ninguém pense que sou pedófilo!”.

Independentemente do motivo, a consequência destas inseguranças significa que, com a exceção dos apertos de mão, os homens são mais propensos do que as mulheres a renunciar ao toque carinhoso e platónico - e todos os benefícios que advêm dele.

AS NORMAS SOCIAIS PODEM ATRAPALHAR O TOQUE HUMANO NATURAL

Taxas globais de aprovação:
“As normas sociais podem atrapalhar o contacto humano.” 
pesquisa mindline 2019

A LACUNA DE CONHECIMENTO: AS PESSOAS NÃO CONSCIENTES DOS BENEFÍCIOS FISIOLÓGICOS DO TOQUE

Enquanto os benefícios psicológicos tendem a ser bem conhecidos, a investigação NIVEA revela uma lacuna de conhecimento na consciência da maioria das pessoas sobre os benefícios fisiológicos do toque. Quando perguntados sobre a sua compreensão dos benefícios físicos, incluindo dor física reduzida, sistema imunológico mais forte e pressão arterial mais baixa, entre outros, muitos participantes do estudo global relataram não ter conhecimento deles. Mais de um terço dos entrevistados não sabia que o toque físico diminui o nível de hormonas do stresse e mais da metade não sabia que o toque fortalece o sistema imunológico. 86 por cento dos entrevistados consideram esta informação encorajadora o suficiente para incluir mais toque físico nas suas vidas diárias – o que levanta a questão: se as pessoas soubessem mais sobre os benefícios do toque, fariam mais para iniciar o toque individual e coletivamente?

Os nossos resultados sugerem que a resposta é sim. As descobertas mostram claramente a demanda por uma abordagem social mais positiva para o tema do toque humano. 92% dos entrevistados acham que precisamos de falar mais sobre os benefícios do toque humano e 85% acham que seria uma boa ideia ter um movimento que defenda o “bom toque” na sociedade. Tais medidas podem ajudar a educar as pessoas sobre os benefícios do toque, resolver a confusão sobre quais os tipos de toque que são aceitáveis e lembrar as pessoas de incorporar mais toque nas suas vidas. Para ajudar a garantir que o toque seja valorizado desde a infância, 85% acham que as escolas devem ensinar a importância do toque humano. Este apoio esmagador para soluções para a falta de toque humano é consistente em todos os países e faixas etárias medidas.

As barreiras ao toque humano provavelmente não desaparecerão da noite para o dia, ou nunca. Mas algumas são mais facilmente resolvidas do que outros, e a consciência das nossas próprias ações é um primeiro passo importante.

Sobre o estudo

A investigação NIVEA foi conduzida pela Mindline, um instituto de pesquisa independente, através de um questionário online com 11.198 pessoas dos 11 seguintes países (aproximadamente 1.000 entrevistados por país): Austrália, Brasil, China, França, Alemanha, Índia, Itália, África do Sul, Tailândia, Reino Unido e Estados Unidos. Os entrevistados tinham entre 16 e 69 anos de idade e eram uma amostra representativa com base no género, idade, região e situação ocupacional. O estudo foi realizado entre outubro de 2018 e março de 2019. Discussões de grupos de foco em 11 países, conduzidas pelo Happy Thinking People, um instituto de pesquisa independente, precederam a pesquisa quantitativa.

Conheça os factos

Faça download do Relatório Global sobre Toque Humano
Descarregue os fatores chave