Entrevista com Derrick Feldmann

Sentimo-nos Sozinhos com a Ausência de Relações

Derrick Feldmann lidera a Ad Council Edge, uma ONG americana, que usa o poder das comunicações para abordar as questões mais importantes do nosso tempo. Têm combatido a poluição e o pólio, defendido as mulheres no trabalho e ajudado a combater a SIDA. Agora, publicaram um inquérito global sobre a 'Solidão', com o apoio da NIVEA. Falámos com Derrick sobre a solidão, de onde ela vem e como podemos ajudar a preveni-la.

”Sentir-se só não é apenas estar só fisicamente, mas ter falta de um suporte emocional e de relações de qualidade e valor.”

1

O aparecimento da pandemia da solidão

Derrick, a solidão tem estado no centro das atenções dos media e da sociedade em todo o mundo desde há alguns anos, alguns chamam-lhe "pandemia"; o Reino Unido até nomeou um ministério da solidão. Pelo que encontrou no seu estudo, como definiria a solidão e o que aconteceu no nosso mundo, que parece estar em ascensão?

Antes de entrarmos na definição de solidão, devemos primeiro falar sobre a importância desta questão, especialmente agora, neste momento. A investigação demonstrou que as pessoas que têm boas relações com a família, amigos e a sua comunidade são mais felizes, têm menos problemas de saúde, têm melhor função cognitiva, têm menos depressões e vivem mais tempo. Da mesma forma, o toque humano e as demonstrações físicas de carinho também demonstraram ser importantes para a união e interação social, assim como para o bem-estar psicológico. Contudo, a falta de relações mais profundas pode manifestar-se em problemas de saúde mental como ansiedade, depressão, stress crónico, insónia, ou mesmo um declínio cognitivo mais tarde na vida.
Na nossa investigação, testámos várias definições de solidão e descobrimos que definir a solidão em termos de relações é fundamental. Definimos a solidão como a falta de relações próximas e de qualidade. As relações que são valorizadas, confiadas e desejadas, são importantes para nós como seres humanos e, portanto, quando tais relações estão ausentes, sentimo-nos sós. O estudo descobriu que, na amostra global, uma em cada cinco pessoas sente-se sozinha regularmente.
As entrevistas revelaram que muitos pensam em "sentir-se sozinhos" como uma falta de apoio emocional, não ter ninguém com quem falar, ou a percepção de que ninguém os compreende. Resumindo, sentir-se sozinho tem menos a ver com estar sozinho fisicamente e mais com a falta de relações próximas de qualidade.
Embora a solidão possa afetar qualquer pessoa em qualquer altura, existe agora outra lente através da qual a questão deve ser examinada: a pandemia global COVID-19 e as medidas de distanciamento e isolamento social. Pessoas em todo o mundo estão a vivenciar o distanciamento social, isolando-se em casa, usando máscaras, e abstendo-se de abraçar ou tocar nos outros. 

”Quatro em cada dez pessoas ENTRE OS 18-34 anos sentem-se sozinhas.”

2

Fatores de risco para a solidão

Como é que podemos descobrir se estamos em risco? O que nos torna solitários, e quem é mais afetado?

Ao olhar para a questão complexa da solidão, aqueles que vivem momentos que contribuem para ela, como o isolamento, também devem ser tidos em conta. Os sentimentos de se sentirem sós (ou solitários) e isolados (física ou socialmente) contribuem para a solidão. As pessoas que sentem regularmente qualquer um destes fatores devem ser analisadas a fim de se compreender verdadeiramente o quadro completo da solidão. Mais de um quarto das pessoas que estudámos relatam sentir-se regularmente física ou socialmente isoladas, quer esta tenha sido a sua escolha ou não. Assim, em conjunto com aqueles que afirmam sentir-se sozinhos, mais de um terço das pessoas sentem regularmente pelo menos um destes fatores de solidão. Por conseguinte, identificamo-los como pessoa em risco.
Talvez fiquem surpreendidos ao saber que não são os mais velhos que sofrem mais regularmente de solidão - mas sim os mais jovens. Quatro em cada dez pessoas de 18-34 anos sentem-se sozinhas. E poderá ficar menos surpreendido ao saber - o que não o torna menos preocupante - que é mais provável que se sinta só, se for solteiro, introvertido, tiver um rendimento mais baixo, uma deficiência, um estado deficiente de saúde mental, mobilidade limitada e não tiver uma relação laboral estável. Isto não significa que não se possa sentir só se estiver numa situação exatamente oposta à que acabei de descrever. Mas significa, de um ponto de vista social, que deixamos muitas pessoas para trás, se não contarmos com a solidão nestes grupos.

”Embora muitos estejam a utilizar a tecnologia para se manterem em contacto, a maioria admite que nada pode substituir completamente a interação física.”

3

Solidão em tempos de COVID-19

Durante esta pandemia global, todos nós - mais ou menos - estivemos expostos ao isolamento, longe dos nossos conhecidos, colegas, amigos e, nos casos mais graves, também da nossa família mais próxima. Como é que isto afeta a nossa felicidade e o nosso bem-estar?

As tendências dos estudos qualitativos foram mistas, indicando que a pandemia tem tido efeitos variados na solidão. Alguns sentem-se mais isolados fisicamente devido à COVID-19, enquanto que outros reforçaram algumas ligações durante este tempo. Nas nossas entrevistas qualitativas, ouvimos dizer que durante a pandemia, muitas pessoas estão a perder as interações físicas com a família e amigos e anseiam vê-los, cara a cara. Embora muitos estejam a utilizar a tecnologia para se manterem em contacto, a maioria admite que nada pode substituir completamente a interação física. Para alguns dos entrevistados, saber que todos estão isolados devido à pandemia faz com que se sintam menos incomodados com o isolamento; muitos descobriram que agora sentem menos pressão para socializar e estão a aproveitar o tempo livre que têm. Alguns têm mesmo reforçado as relações devido a uma comunicação mais frequente. Também podem conhecer pessoas, que estão bastante felizes, porque agora podem concentrar o seu tempo nas pessoas, que estão realmente perto, por exemplo, de apoiar e ajudar os entes queridos mais velhos que vivem no mesmo agregado familiar e necessitam de um cuidado especial.
No entanto, enquanto a informação anedótica das entrevistas qualitativas apontava que a COVID-19 está a aumentar drasticamente os sentimentos de solidão e isolamento, os resultados de inquéritos quantitativos mostraram que a pandemia apenas contribuiu ligeiramente para um maior isolamento (tanto físico como social) - embora não muito para a solidão na sua definição de falta de relações de confiança e de qualidade. Quase um quarto (23%) relatou sempre ou frequentemente sentir-se sozinho durante a pandemia, o que não é muito superior em comparação com 19% de pré-pandemia, o que indica, que embora as restrições tornem claramente mais difícil manter as suas relações com os outros, também não podem dissolver as nossas relações próximas existentes com muita facilidade. COVID-19 teve, no entanto, um impacto negativo na felicidade, de acordo com o nosso estudo. Os 57% pré-pandémicos disseram que eram felizes. Isto caiu para um em cada quatro (42%) durante a pandemia.
Além disso, embora os sentimentos gerais de solidão não tenham aumentado significativamente durante a COVID-19, o número de pessoas que vivem regularmente pelo menos um fator de solidão aumentou. Antes da COVID-19, cerca de um terço (36%) da amostra global diz ter vivido regularmente pelo menos um fator de solidão. Durante a COVID-19, este grupo saltou para 44%, indicando que uma população maior está em risco de solidão como resultado da pandemia.

”Todas estas necessidades não satisfeitas resultam em sentimentos de solidão, ansiedade e tristeza.”

4

Como ser imune à solidão

Vejamos as nossas relações. De que tipo de relações precisamos e quantas delas para nos sentirmos felizes e imunes à solidão? O que nos impede de as construir e de nos relacionarmos com elas?

Sabemos, pelas nossas entrevistas, que a relação ideal é construída sobre o amor, respeito e confiança mútua. Requer, que ambas as partes invistam tempo e esforços iguais e comuniquem frequentemente. As pessoas foram muito claras sobre o que querem destas relações. Por exemplo, querem poder falar sobre qualquer coisa sem medo de julgamento, querem saber que podem contar um com o outro em momentos dificeis, os valores partilhados são muito importantes. Na prática, isto significa, que demonstram os seus sentimentos ao perguntarem se está tudo bem e ajudam-se um ao outro. E em termos de ligações frequentes, veem a interação presencial como ideal, porque reforça os laços. Se as pessoas não se conseguem ver cara a cara, veem as chamadas ou mensagens de texto como a próxima melhor coisa. Em geral, este tipo de ligações deveria ser pelo menos semanal, para outros diariamente.
O que nos impede de construir estas ligações? As nossas entrevistas revelaram uma série de fatores que iriam criar barreiras às relações fortes. Algumas das questões mencionadas incluem a distância um do outro e encontros presenciais onde ambos podem apoiar-se mutuamente com um diálogo mais profundo. Para outros, foi uma falta de iniciação de ambos os lados - poderiam ter dado o primeiro passo - mas não o fizeram. E alguns até comentaram os desafios do passado na sua relação, onde os desacordos não foram resolvidos e continuam a atrapalhar.
Em geral, as nossas conclusões revelaram que as pessoas que têm outras com quem podem contar e em quem podem confiar têm mais probabilidades de serem felizes e menos probabilidades de viver regularmente fatores de solidão. Aqueles que dizem não ter pessoas com quem podem contar ou em quem podem confiar têm mais probabilidades de viver regularmente fatores de solidão. São também aqueles que dizem não ser compreendidos, que não se podem abrir ou ser o seu verdadeiro eu e que desejam ter relações mais profundas com mais pessoas. Caso estas necessidades não sejam satisfeitas resultam em sentimentos de solidão, ansiedade e tristeza.

”TEMOS DE COMPREENDER QUE A SOLIDÃO VEM COM A INÉRCIA PARA TOMAR A INICIATIVA E ESTENDER A MÃO AOS OUTROS.”

5

O paradoxo da solidão

Durante a crise do Covid-19, a maioria de nós é muito seletiva em termos de quem vemos, encontramos e tocamos. O seu estudo revelou, como gostaríamos de interagir com outras pessoas versus como interagimos agora? O que é que isto significa para os nossos sentimentos de solidão?

Uma vez que a solidão está ligada às nossas relações próximas, analisámos as abordagens adotadas por aqueles que estão sozinhos versus aqueles que não estão sozinhos quando interagem com as pessoas. O inquérito revelou que as pessoas tipicamente alcançam uma ligação através do telefone ou dos meios de comunicação social, convidam-nas a ir a sua casa ou a sair para ir beber um copo ou uma refeição, ou a passar por sua casa.
Ao lidar com a solidão, descobrimos que cerca de dois terços das pessoas têm tendência em ir em direção a atividades a solo, ou atividades solitárias, tais como ver televisão, ouvir música, ou dormir a sesta. Cerca de metade chega aos outros através da tecnologia, seguida de uma ligação presencial. Apenas um punhado de pessoas na amostra global depende de intervenções clínicas, tais como consultar um profissional de saúde mental ou mentor ou tomar medicamentos prescritos, quando sente um fator de solidão ou isolamento. Estas são conclusões importantes, quando se trata de discutir como nós - como sociedade ou comunidade - podemos ajudar as pessoas afetadas pela solidão. Temos de compreender que a solidão vem com a inércia para tomar a iniciativa e estender a mão aos outros. O antigo Cirurgião Geral dos EUA e autor Vivek Murthy chama a isto o 'paradoxo da solidão'. Estar junto de outras pessoas pode ajudar, mas tomar a iniciativa é uma grande barreira.

”Se for a pessoa certa, o toque humano pode fazer alguém sentir-se amado, seguro, e menos só.”

6

IMPORTÂNCIA do toque humano para as nossas relações.

NIVEA embarcou neste compromisso de promover o toque humano no mundo e, dele, mais união. O que aprendeu no seu estudo sobre o toque humano? Qual é a sua importância para as nossas relações próximas e para o nosso círculo mais alargado de pessoas com quem interagimos?

Ao sentir-se só, o toque ou o estar próximo fisicamente do seu cônjuge, filhos ou pais pode ajudar. Contudo, para aqueles que se sentem regularmente sozinhos (19%), ou para aqueles que vivem regularmente pelo menos um fator de solidão (36%), a presença ou o toque físico dos outros - mesmo de conhecidos - tem menos impacto.
Em geral, quando as pessoas se sentem sozinhas ou solitárias, preferem o toque humano de alguém com quem tem uma relação forte e próxima do que de alguém menos próximo.  O toque humano versus proximidade fisica, dependendo da proximidade da relação, também foi ouvido em entrevistas: Um abraço pode ter um grande impacto no modo como uma pessoa se sente - embora deva ser de alguém com quem se sinta confortável. Se for a pessoa certa, o toque humano pode fazer alguém sentir-se amado, seguro, e menos sozinho. Este ponto foi mencionado como uma ação que as ajuda a aliviar o stress, a sentir-se acarinhadas e a construir laços fortes. Resumindo, o toque humano é uma grande ferramenta para reforçar, fortalecer e manter as relações fortes existentes.

”Puxar por aqueles que se sentem sozinhos, bem como todos os outros, para ajudar.”

7

Ajudar a sair da crise da solidão

Vamos olhar para aqueles que estão em risco e vulneráveis? O que aprendeu sobre intervenções eficazes para os ajudar a sair da sua crise de solidão? O que podemos fazer enquanto sociedade? O que é que uma marca pode fazer para apoiar? E o que é que todos nós podemos fazer para nos protegermos?

As pessoas fazem uma variedade de coisas quando se sentem sozinhas ou isoladas, embora, como disse antes, cerca de dois terços das pessoas têm tendência em ir em direção a atividades a solo. Metade chega de facto aos outros através da tecnologia, e cerca de um em cada quatro liga-se pessoalmente a alguém. E depois há alguns que vão ver um profissional de saúde mental ou alguém que ajude. O que é importante saber, para aqueles que ajudam: Cerca de um terço das pessoas que vivem regularmente pelo menos um fator de solidão é provável que entrem em contacto com outros, até certo ponto. Fazem telefonemas ou video chamadas com familiares e amigos próximos, juntam-se a uma atividade de grupo de que gostam, recebem chamadas telefónicas, ou falam com o seu terapeuta.
As intervenções devem educar o público sobre os verdadeiros fatores de risco de solidão. Os líderes e principais interessados, incluindo marcas, devem concentrar-se na educação e informação das pessoas em maior risco através de esforços de marketing de causas e questões sociais sobre os fatores que contribuem para a solidão. Além disso, as marcas podem ajudar a promover as auto-avaliações de relacionamentos e apoiar ou desenvolver campanhas que incentivem as pessoas a comunicar com os seus entes queridos. Lembre-se do 'paradoxo da solidão', aqueles que se sentem sós tendem a ficar sozinhos. Mesmo que sejam ativos e saiam, tendem em ir em direção a atividades solitárias. Por exemplo, podem ir a um concerto, mas não se envolvem em conversas com outros. Ou, podem estar ligados nas redes sociais ou através de um grupo social, mas não têm conversas ou uma conversa com significado. As marcas podem ajudar a ultrapassar isto, e incentivar aqueles que se sentem sozinhos, bem como todos os outros, para se aproximarem de outras pessoas.
Como mencionado, as relações fortes são cruciais para atenuar os sentimentos de solidão e isolamento. Quando as pessoas podem avaliar com precisão as suas próprias relações e compreender como construir relações mais fortes e significativas - especialmente após grandes eventos da vida ou mudanças no estilo de vida - têm então as ferramentas para fortalecer as suas relações como forma de prevenir a sua própria solidão ou isolamento.

Derrick Feldmann

Derrick Feldmann

Investigador e consultor sobre questões sociais globais de causas para empresas. Lidera os esforços de investigação sobre como as causas e as empresas podem conduzir ao interesse público e ao envolvimento em questões sociais como Diretor Geral do Ad Council Edge, a divisão de consultoria estratégica do Ad Council que aconselha durante as fases formativas dos programas de envolvimento público. É o autor de The Corporate Social Mind and Social Movements For Good: How Companies and Causes Create Viral Change.